sexta-feira, 24 de abril de 2015

O "Novo" na bíblia


Como entender a “nova aliança” (Mt 26:28) e o “novo mandamento” (Jo 13:34) no contexto de um Deus imutável (Ml 3:6)?

Para responder a essa pergunta tão interessante e intrigante vamos analisar os textos originais das Escrituras Sagradas e também um pouco do seu contexto.

Em grego, diferentemente do português e outros idiomas, existem várias palavras para “simplificar” a interpretação. Por exemplo: usamos a mesma palavra para representar algo recém criado ou algo restaurado em português (NOVO). Mas em grego existem duas palavras que podem ser traduzidas como novo. Néos que significa algo recém criado e kainós que transmite a ideia de uma restauração em algo já existente.
Vamos analisar o caso do novo mandamento primeiro.

Quando foi que esse mandamento foi apresentado pela primeira vez? Foi, ainda, nos tempos de Moises (Veja Lv 19:18). O mandamento original (neós) diz: “amarás o teu próximo como a ti mesmo”. Mas Jesus deu uma nova interpretação a esse mandamento (kainós) dizendo: “ameis uns ao outros [ou amaras o teu próximo] como eu vos amei [não mais com o amor que você tem por você mesmo, mas semelhante ao amor que tenho por você]” (João 13:34, o texto entre colchetes é a explicação).
E quanto a nova aliança?

O princípio é o mesmo. Nova (kainós) aliança porque a aliança antiga exigia morte de animais e a nova exigia a morte do próprio Deus para redimir os pecados da humanidade.
Nos dois casos não houve uma “anulação” do anterior para existir um novo. E sim uma nova forma de fazer/interpretar o antigo.
Deus sempre foi imutável e sempre será. A única coisa que Ele deseja mudar é a nossa natureza pecaminosa por uma natureza santa.

Permita que o Senhor possa mudar você!


EmoticonEmoticon